:: Mastering VII ::


Do Tempo ao Tempo

Manipular o tempo tem sido, há muito, um ponto de conexão em mundos de fantasia e—com um pouco de planejamento—pode acrescentar novas dimensões aos seus jogos e aos personagens dos seus jogadores. Ele pode abrir locais novos e maravilhosos, além de deixar seus jogadores imaginando, “Qual será nossa próxima parada?”

Matando Tempo

Uma maneira de tornar seus jogadores mais perceptivos ao tempo é tirando-o deles, seja como uma penalidade por falha ou como parte da história. Aqui estão alguns exemplos:

  • Um tirano captura os personagens jogadores e os coloca em uma prisão de segurança máxima. Cada vez que eles tentam escapar e falham, perdem um ano de suas vidas devido ao confinamento na solitária ou a outras punições severas…
  • Os PJs derrotam um dragão branco mas não conseguem escapar de sua fortaleza gélida enquanto ela desaba. Ao invés de morrerem, os PJs ficam congelados e suspensos às portas da morte, apenas para serem descongelados muitos anos depois, em uma época em que os descendentes do dragão cresceram e o mundo precisa que os heróis terminem aquilo que começaram.
  • Um bruxo foge para um semi-plano onde o tempo se move mais depressa do que no mundo real. Cada vez que os PJs descansam, outro ano se passou no “mundo real”.

Continue lendo

Interpretando Fragmentais I


Recentemente passei a fazer parte de um grupo de Dungeons & Dragons 4ª Edição, como jogador, assim estou tendo a oportunidade de conhecer melhor o sistema e também as raças e classes (incluindo todos os materiais já lançados até o momento). Acontece que com tantas possibilidades, resolvi tentar justamente um dos mais complexos personagens que já conheci: o Fragmental (Shardmind no original).

Sendo uma raça completamente nova no universo de Dungeons & Dragons, resolvi pesquisar mais sobre esses seres curiosos, residentes de diversos mundos, originários de nenhum. Ao longo dessa pesquisa me deparei com uma interessantíssima matéria publicada na Dragon #387 de Maio de 2010, que traduzi em duas partes para vocês. Espero que gostem.

Interpretando Fragmentais (baixar)

:: Vistani I ::


Jogando com Vistani (Parte 1)

TRADUÇÃO: Johnathas Mendes Beccon

Andarilhos misteriosos, órfãos de três divindades e três mundos.

Sem uma pátria para chamar de sua, os Vistani vagam através do mundo e de seus reflexos. Eles tecem estórias enigmáticas de seu passado e seus costumes são impenetráveis para os forasteiros. Os clãs Vistani são um único povo, formado por diferentes raças, e perambulam, alheios à política e outras preocupações dos locais civilizados. Sua magia e astúcia lhes permitem passar com segurança através do abismo escuro entre áreas ocupadas e atravessar as paredes entre os mundos. Aos sedentários, estes viajantes cheios de manha trazem mercadorias exóticas, notícias, serviços e competências. Eles levam consigo grandes amigos, crianças orfanadas e tudo aquilo que é essencial a sobrevivência, bem como muitos objetos de valor (talvez mais do que receberiam honestamente).

Seja um Vistani se você deseja …
✦ vir de uma cultura que permite desafiar estereótipos raciais apesar de sua raça.
✦ acesso a uma “nação” errante de potenciais aliados, com uma cultura cheia de mistério e aventura.
✦ ser um membro de uma linhagem que favorece o vingador, druida, guerreiro, invocador, ranger ou ladino; ou qualquer classe arcana.

Continue lendo

:: Cold ::


O Salão da Dama Gélida

[perdi meu pendrive e vou ter que fazer tudo de novo, vai demorar…]

A deusa Auril comanda uma terra de clima inóspito, o perpétuo inverno. Seu domínio toca periodicamente o mundo mortal, trazendo consigo tempestades e nevascas mágicas de grande intensidade e algumas vezes, prendendo os desavisados viajantes nele. Explore o Salão de Auril e as terras ao seu redor neste novo periódico de Lendas dos Reinos!

Continue lendo