:: Mastering VII ::


Do Tempo ao Tempo

Manipular o tempo tem sido, há muito, um ponto de conexão em mundos de fantasia e—com um pouco de planejamento—pode acrescentar novas dimensões aos seus jogos e aos personagens dos seus jogadores. Ele pode abrir locais novos e maravilhosos, além de deixar seus jogadores imaginando, “Qual será nossa próxima parada?”

Matando Tempo

Uma maneira de tornar seus jogadores mais perceptivos ao tempo é tirando-o deles, seja como uma penalidade por falha ou como parte da história. Aqui estão alguns exemplos:

  • Um tirano captura os personagens jogadores e os coloca em uma prisão de segurança máxima. Cada vez que eles tentam escapar e falham, perdem um ano de suas vidas devido ao confinamento na solitária ou a outras punições severas…
  • Os PJs derrotam um dragão branco mas não conseguem escapar de sua fortaleza gélida enquanto ela desaba. Ao invés de morrerem, os PJs ficam congelados e suspensos às portas da morte, apenas para serem descongelados muitos anos depois, em uma época em que os descendentes do dragão cresceram e o mundo precisa que os heróis terminem aquilo que começaram.
  • Um bruxo foge para um semi-plano onde o tempo se move mais depressa do que no mundo real. Cada vez que os PJs descansam, outro ano se passou no “mundo real”.

Continue lendo

Anúncios

RPG e trilha sonora combinam? (parte 3 de 3)


Pois bem, amigos caóticos, chegamos à parte final dessa matéria (inacreditavelmente extensa) sobre a relação que fizemos entre trilha sonora e RPG. Esse post é mais dedicado àqueles mestres que amam a tecnologia e têm disponível uma gama de acessórios tecnológicos, aparatos que vão além do nosso bom e velho CD Player. Trataremos também da questão “será que essa música se encaixa?” e daremos algumas sugestões de bandas com suas devidas relações quanto ao estilo RPGístico ao qual melhor se adaptam.

Acho que a melhor forma de resumir tudo isso é através de um bom exemplo, portanto preparei um resumo de aventura explicando as melhores músicas (pelo meu ponto de vista) para cada situação. Também explico como funciona a organização dessas músicas e da própria aventura, para que você possa compreender melhor a mecânica que age aqui. Em alguns momentos até mesmo os efeitos que busquei obter nos jogadores são relatados. Embora a matéria seja um pouco extensa, espero que você goste!

Então, o que está esperando? Clique aí embaixo e tenha uma ótima leitura.

Continue lendo

RPG e trilha sonora combinam? (parte 2 de 3)


Olá mais uma vez, meus amigos caóticos!

Expandindo o conteúdo de nosso último post, trataremos de alguns cuidados que devem ser tomados DURANTE o jogo. Serão três postagens dedicadas às duas coisas que mais gosto: música e RPG. Afinal, o que poderia ser melhor do que a harmonia desses dois temas, não é mesmo?

Por falar em harmonia, mais uma dica importante: procure utilizar músicas que não sejam cantadas, pois a letra das músicas costuma distrair os jogadores um pouco, principalmente quando há algum diálogo envolvido (embora na maioria das cenas de ação não haja problema).

Eu sempre relaciono a reprodução de músicas para RPG com aparelhos do tipo CD Player, mas é claro que também podem ser utilizados aparelhos de MP3/MP4, iPhones, computadores desktop, netbooks ou mesmo notebooks; qualquer um deles devidamente conectado à entrada de áudio do seu aparelho de som, para não desgastar as caixas por causa de volumes elevados, para os aparelhos com menor potência de reprodução.

Vamos então ao que interessa!

Continue lendo

RPG e trilha sonora combinam? (parte 1 de 3)


Como vão vocês, meus amigos caóticos!?

Hoje falaremos de um assunto que já foi apresentado diversas vezes em sites, listas e fóruns de RPG, mas como sempre tem alguém que chega atrasado, ou então, sempre tem algum truquezinho novo para ser apresentado, gostaria de dividir com vocês minhas experiências com Trilhas Sonoras no RPG.

A primeira vez que participei de um jogo com trilha sonora percebi o quanto ela poderia mudar o rumo dos meus jogos, mas percebi também os riscos que a prática envolveria até que eu aprendesse a utilizar com precisão esse método. O tempo passou e hoje eu não imagino mais meus jogos sem esse componente fundamental. Querem a receita?

Continue lendo

Dia dos Mestres de RPG (GM’s Day)


Você sabia que dia 4 de março é o Dia do Mestre (de RPG)? Pois ao redor do mundo essa data já é comemorada há algum tempo e muitas empresas do ramo RPGístico oferecem descontos nessa data tão importante para aqueles que dedicam boa parte de suas vidas ao divertimento de seus grupos de amigos: O Mestre.

Continue lendo

:: Vistani I ::


Jogando com Vistani (Parte 1)

TRADUÇÃO: Johnathas Mendes Beccon

Andarilhos misteriosos, órfãos de três divindades e três mundos.

Sem uma pátria para chamar de sua, os Vistani vagam através do mundo e de seus reflexos. Eles tecem estórias enigmáticas de seu passado e seus costumes são impenetráveis para os forasteiros. Os clãs Vistani são um único povo, formado por diferentes raças, e perambulam, alheios à política e outras preocupações dos locais civilizados. Sua magia e astúcia lhes permitem passar com segurança através do abismo escuro entre áreas ocupadas e atravessar as paredes entre os mundos. Aos sedentários, estes viajantes cheios de manha trazem mercadorias exóticas, notícias, serviços e competências. Eles levam consigo grandes amigos, crianças orfanadas e tudo aquilo que é essencial a sobrevivência, bem como muitos objetos de valor (talvez mais do que receberiam honestamente).

Seja um Vistani se você deseja …
✦ vir de uma cultura que permite desafiar estereótipos raciais apesar de sua raça.
✦ acesso a uma “nação” errante de potenciais aliados, com uma cultura cheia de mistério e aventura.
✦ ser um membro de uma linhagem que favorece o vingador, druida, guerreiro, invocador, ranger ou ladino; ou qualquer classe arcana.

Continue lendo

:: Mastering V ::


Sobre os Pontos de Experiência

A Experiência é uma ferramenta interessante, na qual cada DM tem seu próprio sistema. Lembro de um tempo em que eu ignorava qualquer regra que requeresse manter um livro ao meu lado ou muita matemática; ignorávamos completamente o sistema de distribuição de XP. Quem quer que jogasse naquele dia e não resmungasse ganhava um nível, o que me parece horrível hoje em dia. Sempre começávamos com personagens em níveis mais altos (de 3º a 6º nível, em média), mas nunca os levávamos muito adiante, muito menos a níveis épicos. Por um lado isso me ajudou a criar muitos NPCs, por outro acho que desestimulou bastante os jogadores, que logo queriam jogar algo diferente.

Continue lendo