:: Vistani I ::

Jogando com Vistani (Parte 1)

TRADUÇÃO: Johnathas Mendes Beccon

Andarilhos misteriosos, órfãos de três divindades e três mundos.

Sem uma pátria para chamar de sua, os Vistani vagam através do mundo e de seus reflexos. Eles tecem estórias enigmáticas de seu passado e seus costumes são impenetráveis para os forasteiros. Os clãs Vistani são um único povo, formado por diferentes raças, e perambulam, alheios à política e outras preocupações dos locais civilizados. Sua magia e astúcia lhes permitem passar com segurança através do abismo escuro entre áreas ocupadas e atravessar as paredes entre os mundos. Aos sedentários, estes viajantes cheios de manha trazem mercadorias exóticas, notícias, serviços e competências. Eles levam consigo grandes amigos, crianças orfanadas e tudo aquilo que é essencial a sobrevivência, bem como muitos objetos de valor (talvez mais do que receberiam honestamente).

Seja um Vistani se você deseja …
✦ vir de uma cultura que permite desafiar estereótipos raciais apesar de sua raça.
✦ acesso a uma “nação” errante de potenciais aliados, com uma cultura cheia de mistério e aventura.
✦ ser um membro de uma linhagem que favorece o vingador, druida, guerreiro, invocador, ranger ou ladino; ou qualquer classe arcana.

Origem

Embora uma figura mítica chamada Vistan apareça na maior parte das histórias ligadas a sua origem, os Vistani não aceitam nenhuma delas em especial e até desdenham quanto à natureza de Vistan. Eles relatam diversos contos a respeito de como tornaram-se eternos nômades e fazem, de chegar com novas histórias ao redor de suas fogueiras noturnas, um esporte. É possível que aqueles que tornam-se anciões do clã aprendam a verdadeira saga dentre tais histórias, mas isso apenas se a verdadeira origem dos Vistani for lembrada, distinguida entre todas as lendas disparatadas que existem. Provável mesmo é que cada um destes julgamentos contenha uma pequena parcela da verdade.

Um dos pontos de partida para os Vistani sugere que esse povo já foi todo de halflings. Essa gente estava entre aqueles primeiramente criados pela união entre Melora e Sehanine. Quando as duas deusas abandonaram a raça, a halfling Vistan sofreu muito mais do que a maioria. Embora ela reconhecesse o amor maternal de Avandra pelos halflings, ela também viu a natureza adotiva desta gentileza. A grande tristeza daqueles que são rejeitados a preencheu por completo. Ela considerou que os halflings haviam sido orfanados injustamente e uniu-se a outros que sentiam o mesmo, tornando-se seu líder. Com seus seguidores ela fez votos de construir um lar para jovens exilados e abandonados que estivessem em busca de família e suporte, halflings ou não. Os primeiros Vistani tomaram a magia da lua feérica, o mundo insensível, e a via tortuosa como sua, para nunca se acomodarem e tornarem-se complacentes.

Com um escopo mítico semelhante, uma lenda coloca os Vistani como ponto-chave na Guerra do Alvorecer, na qual numerosos mortais lutaram ao lado dos primordiais contra os deuses. Os Vistani vieram de uma nação emergente de povos mistos. Quando as linhas de batalha começaram a se formar na Guerra do Alvorecer, a maioria das pessoas daquela terra escolheu servir à primordial Kir-Yagh, Rainha das Montanhas Ardentes, que tinha governado aquela região até tal época. A mística Vistan se opôs a isso, liderando seu povo para auxiliar os deuses. Por sua lealdade, ela e seus seguidores foram abençoados com o poder de ver através do espaço, tempo e destino. Vistan fez com que seu povo se voltasse novamente aos deuses, mas no fim os próprios deuses temeram pelo poder que haviam concedido a Vistan e seus seguidores. As divindades malignas desejavam destruir os Vistani, mas os outros — Sehanine, Melora e Avandra em particular — deram aos Vistani a oportunidade e o poder para escaparem em direção a lugares ocultos. Os Vistani ainda vagam, os olhos invejosos de alguns deuses ainda sobre eles.

Outra história introdutória coloca os Vistani como um povo de artesãos, adivinhos e curandeiros que apoiaram o campeão Vistan em sua marcha para opor-se ao então jovem Império Miran, de muitos milênios atrás. O empurrão de Vistan no território inimigo sucedeu inicialmente, mas eventualmente suas legiões conheceram a derrota nas profundezas de Miran. Vistan foi morto e aqueles que os Miran puderam capturar tornaram-se escravos. Os Vistani modernos tiveram origem naqueles que, sem destino certo, partiram para mais e mais longe de casa para evitar serem escravizados. Com o passar do tempo, os viajantes arrebanharam outros refugiados e deslocaram seu povo entre eles. Eles se dividiram em bandos menores para sobreviverem melhor com recursos limitados. Eventualmente o Império Miran engoliu a terra natal de Vistan e a trilha sem fim tornou-se o único lar para os Vistani.

Uma variante deste conto coloca os Vistani novamente dentro de Miran. Enquanto Miran conquistava uma terra que era chamada Vistan ou governada por um monarca de mesmo nome, os Vistani — povo selvagem de Vistan — opuseram-se a Miran em cada ação. Mesmo então, os Vistani eram de uma herança racial mista, unidos por uma cultura comum. Eles utilizaram magia de todos os tipos para caminhar entre mundos paralelos para iludir e frustrar os conquistadores. Miran eventualmente capturou o líder Vistani e utilizou seu sangue em um ritual vil que Bane lhes havia concedido. A maldição lançada sobre os Vistani os deslocou, condenando-os a vagar eternamente. Antes que o chefe Vistani morresse ele, ou ela, colocou uma maldição em retorno sobre os Miran, predizendo que uma união de elementos destruiria o império. Assim como muitas outras terríveis predições  dos Vistani, essa maldição acabou por se realizar.

Um Povo à Parte

Vistani não é uma raça, mas uma conexão sanguínea sobrenatural entre os povos de diversas raças que cresceram com os Vistani ou juntaram-se a seus clãs. Se você deseja jogar com um Vistani, escolha uma raça normalmente e então selecione o talento Legado Vistani no 1º nível para ganhar sua conexão com os Vistani. Se você selecionar o talento Legado Vistani após o primeiro nível, seu Mestre de Jogo pode requisitar que você explique de que forma seu personagem se tornou um Vistani. A forma mais provável é através de um ritual de Enlace Sanguíneo Vistani, o qual deve ser alcançado durante o jogo — o DM é o árbitro final quanto a quem pode receber tal honra ou não. Da mesma maneira, seu DM pode bloquear o re-treinamento de talentos de linhagem se você não tiver uma explicação de como seu personagem perde sua conexão com os Vistani.

Estilo de Vida

Os Vistani são um povo nômade que viaja em caravanas de carroções-casa sobre rodas, carroções de armazenamento, pessoas, animais de estimação e pecuária. Bem conhecido é o fato de que tais clãs Vistani vagam pelo mundo afora, até mesmo na Agréstia das Fadas e no Pendor das Sombras. Menos conhecido é o fato de que cada clã possui anciões que conhecem rituais e locais para cruzar por entre esses planos. Por isso uma caravana Vistani pode ser encontrada em qualquer lugar dos mundos paralelos entre os reinos elemental e imortal.

Uma caravana de clã é um lugar repleto de cores, música e risos. O povo se veste com muita elegância ao melhor estilo Vistani e seus carroções são pintados para corresponder. A menos que um clã tenha alguma razão para passar despercebido, os Vistani viajam de forma barulhenta, entretendo uns aos outros na estrada com canções espirituosas e contos bizarros. Eles caçam e colhem enquanto viajam, embrenhando-se nos ermos a um passo meditativo.

À noite, sempre que possível, o acampamento de um clã lembra um carnaval que celebra a sobrevivência de mais um dia. Os membros se juntam ao redor das fogueiras para cantar, dançar e exercitarem-se de uma forma que é praticamente ritualística. Entre os passatempos favoritos está uma longa sessão de contar histórias na qual os membros do clã recitam fábulas tradicionais e criam algumas novas. Estrangeiros convidados que representem bem e demonstrem o devido respeito a estas uniões comemorativas recebem em troca o respeito de seus hospedeiros Vistani.

Os Vistani só pausam regularmente em suas andanças durante os três dias da lua cheia, o qual eles chamam de Maré Completa (Fulltide). Durante este período eles trabalham duro para completar tarefas e realizar rituais mágicos. Cada um almeja terminar para descansar no terceiro dia, a manhã após a qual o clã volta para a estrada mais uma vez.

Liderança

“A vida na trilha sem fim pode ser fria e dura. Mas nós preferimos isso aos leões em seu zoológico ou os aldeões em seus campos.”
—Ludjeta Violca, matriarca Vistani

Anciões chefiam um clã Vistani, com uma matriarca e um patriarca do clã no topo da hierarquia. “Ancião” é um termo figurativo para aqueles que são dignos das posições de liderança. Cada ancião é considerado capacitado para alguma tarefa importante, seja na adivinhação ou trabalho com lâminas. O patriarca e a matriarca são os membros mais respeitados de um clã e neles reside a responsabilidade pelo bem-estar de todo o clã.

É esperado que um patriarca mantenha a habilidade do clã de encarregar-se de estrangeiros —ou “citadinos”— seja por meio de batalha, diplomacia ou escambo. Ele vai além de cuidar das necessidades materiais, coleta da comida, afastar monstros e manutenção do equipamento. É ele quem decide os locais de acampamento e como lidar com a pecuária.

A matriarca é o centro espiritual de um clã. Ela sempre possui algum poder sobrenatural. Em situações que requerem sabedoria e discernimento, tal como a aplicação de uma lei Vistani, ela é o árbitro final. Embora o patriarca dirija os acordos comerciais, a matriarca frequentemente guarda a chave para o tesouro do clã.

Clãs Vistani raramente apresentam estrangeiros a seus verdadeiros líderes sem antes testá-los. Ao invés disso utilizam falsos anciões, que os representam, algumas vezes sob a supervisão de um verdadeiro ancião entre eles.

Leis

Crime é raro entre os Vistani, uma vez que os membros do clã dividem tarefas e recompensas. Quando um Vistani faz algo errado, geralmente é aquele que foi prejudicado quem acusa aquele que errou. A matriarca então faz o julgamento em uma sessão, algumas vezes com auxílio de magia. Ela permite que os participantes falem tomando suas mãos e posicionando a ponta de uma adaga em suas palmas, um símbolo das consequências da falsidade. Qualquer um que fale fora da vez perde sua causa.

A lei da matriarca é impositiva e é esperado que os rivais se perdoem, pelo seu próprio bem e pelo bem do clã. Aqueles que são absolvidos de seus crimes devem contar uma fábula, geralmente retocada, sobre os feitos que levaram ao julgamento. Os culpados geralmente devem reparar qualquer mal que tenham causado e, talvez, sofrer algum tipo de punição embaraçosa. Ofensas sérias podem resultar em açoitamento público e os piores crimes levam ao exílio dos Vistani. A matriarca ou outro mago coloca uma maldição sobre o exilado que o marca como um fora-da-lei, para que nunca mais seja aceito por outro clã.

Mais frequentemente os Vistani são desonestos, seja com pequenos furtos ou passando a perna em quem confia neles, com aqueles que não são Vistani. Embora os Vistani não sejam adeptos de crimes severos é sabido que eles roubam viajantes, especialmente aqueles desrespeitosos ou de natureza agressiva, na estrada. As leis Vistani proíbem provocações a não-Vistani de qualquer maneira que possa vir a ferir o clã. Dito isso, eles podem percorrer grandes distâncias para libertar um membro aprisionado, seja de forma justa ou não.

____________________________________________________

  • Matéria originalmente publicada na revista Dragon 380 (não perca a continuação).
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: