:: Secrets ::

Que rolem os dados. Hoje é dia de jogar RPG!

Temos uma campanha de Dungeons & Dragons em andamento, o grupo de jogo é composto de 5 pessoas (Henrique “Lalau”, Leandro “Madruga”, Álvaro “Silêncio”, Luiza “Esquilo” e Luis Fernando “Tonho”) e mais o Game Master (Eu).

Aproveitando o post vou fazer uma pequena descrição de parte do que ocorreu em nosso primeiro jogo.

[#]Five Destinies – Intro (parte 1)[#]

Já era tarde quando Nirgan Morgan ouviu o som de batidas na porta de seu quarto, já fazia 3 dias que ele estava em reclusão para receber as bençãos de sua amada deusa, quem ousaria interrompê-lo naquele momento de meditação? Uma voz veio através das frestas na madeira, – “O seu mestre invoca sua presença em sua sala, Nirgan” – era um daqueles cães desprezíveis, um dos clérigos recém-iniciados, incapazes de compreender a verdadeira relação mantida por alguém como Nirgan com sua divindade, e eles o odiavam por isso, mais do que isso, eles o invejavam, ele podia sentir isso em suas vozes e até mesmo em seus olhares quando ele cruzava os corredores de pedra do templo da Deusa da Noite.

“Diga a ele que estarei pronto em um minuto” – A voz de Nirgan fez-se ouvir através do aposento, enquanto ele se levantava e removia suas vestes ritualísticas para vestir o manto daqueles que escolheram o clericato como seu caminho. Ele ajeitou o manto sobre os ombros e encaixou a corrente prateada que pendia de um ombro ao outro, terminando nas pequenas luas negras envoltas em um disco arroxeado, o símbolo de sua deusa. Prendeu então a faixa roxa em sua cintura e vestiu os sapatos negros.

Não havia janelas ou outros locais por onde pudesse entrar qualquer tipo de luminosidade em seu quarto, ele não precisava. Nirgan havia nascido com a habilidade sobrenatural de ver a luz gerada pela vida que existe nas criaturas ao seu redor, e mais do que isso, ele podia ver essa luz se esvaindo a cada instante, a vida se perdendo… ele podia ver a morte nos olhos de cada ser vivo que se aproximava dele.

* * *

A porta se abriu e Nirgan pode ver o grande corredor à sua frente, os clérigos e seguidores que vinham até o templo prestar suas orações estavam por todos os lados, então ele fechou a porta e trancou-a rapidamente, seguindo seu caminho em direção à sala de seu mestre. No caminho ele via alguns cochicharem e apontarem para ele, mas já estava acostumado. Há oito anos ele havia sido salvo por Dalamar Blackmoon, o regente do templo local, fora então trazido para o templo onde foi aceito, assumindo mais tarde o posto de iniciado.

Em breve seria o momento de receber oficialmente o título de clérigo, mas muitos o viam como uma farsa, um garoto mimado que devia receber uma boa lição para aprender a não se meter no caminho dos outros. Mas Nirgan não era como eles, ele sabia como lidar com tudo isso. Tinha sido assim desde o início, mas ele continuava lá após oito anos, não é mesmo?

Ele desceu as escadas até chegar ao grande salão, de onde teria acesso ao aposento onde encontrava-se Dalamar. Bateu à porta e aguardou, passou-se algum tempo até que a voz la dentro se fizesse ouvir, – “Entre” – disse ele, e a porta se abriu lentamente, revelando um aposento muito bem organizado, com estantes cheias de livros e uma grande mesa de madeira escura ao fundo. Paredes decoradas com quadros chamavam a atenção de quem entrasse ali, além de uma bela tapeçaria onde o negro e prata predominavam, contrastando com o roxo dos arranjos. Nirgan caminhou com passos largos e velozes pela sala até atingir os degraus que divisavam os dois ambientes da sala, até chegar na grande poltrona que se voltava para um grande espelho inclinado em um canto, em cujo reflexo se via um belo elfo, de longos cabelos negros e uma expressão amistosa, seus grandes olhos negros refletindo o brilho prateado das correntes de Nirgan – “Eu o aguardava. Tenho uma solicitação para que você faça um julgamento especial junto ao conselho dos Lordes e salve um rapaz que está sendo acusado de assassinato…”

[#]To be continued…[#]

__
“Let me strip the pain, let me not give in.
Free me of your life, inside my heart dies.
Your dreams never achieved, don’t lay that shit on me.
Let me live my… life.”

Korn – Dead Bodies Everywhere

[☺]Soundtrack

Talvez eu continue a escrever em breve.

\\ROOT:\UNIT 7\>[END OF SECRETS]\[DAY 2]\> LOGOFF.EXE

.:[END]:.

Anúncios

Uma resposta

  1. eaw blz cara
    pra varia o john vive se superando
    =DDDD
    mas eu quero sabe uma coisa john
    quando eu vo joga o resto dah minha parte jah to ficando maluco
    dah jaca =DDDD

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: